Header Ads

NTAgora

Compartilhe:

DEPUTADOS APROVAM VERGONHOSA MEDIDA DE AUMENTO DE SALÁRIOS SÓ PARA CHEFÕES


A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) mais vergonhosa dos últimos anos que eleva o subteto do funcionalismo público do Tocantins já foi aprovada pelas comissões da Assembleia e está pronta para ir a plenário. 
Com isso, o subteto do serviço público estadual só para chefões deixaria de ter como referência o salário do governador (R$ 24 mil) para se igualar ao do desembargador do Tribunal de Justiça (R$ 30.471,11), sendo que o Estado do Tocantins atualmente continua quebrado e com dívidas bilionárias.

A aprovação da PEC vem sendo costurada há algumas semanas pelas principais categorias envolvidas, auditores fiscais, coronéis da Polícia Militar, médicos e delegados, sem considerar que as contas do Estado estão no vermelho, essas categorias só pensam em si própria enquanto o funcionalismo do que não estão na alta hierarquia recebem micharias como salários. 

Essas categorias se reuniram com a presidente da Assembleia, Luana Ribeiro (PSDB), na terça-feira, 23, para discutir o tema. No Legislativo, a informação é de que a Casa vai aguardar uma conversa dos sindicatos com o governador Mauro Carlesse (PHS), uma vez que o Palácio Araguaia, em meio à mais profunda crise do Estado, resiste à medida pois acha uma medida vergonhosa, mas os deputados e os chefes que só pensam e si, estão se lixando.

Algumas categorias contaram ao CT que tentam marcar a audiência com Carlesse, mas não conseguem, Carlesse está certo pois tem ciência do impacto negativo nas contas do Estado.

O deputado estadual Ricardo Ayres (PSB) afirmou no início do ano que a PEC irá beneficiar de imediato 1.024 servidores de quatro categorias só os da alta hierarquia, com incremento mensal em folha de pessoal de R$ 3,7 milhões, por mês, e cerca de R$ 50 milhões, por ano. Já o impacto no orçamento será de 1,19%, prevê o pessebista.

As categorias envolvidas lembram que, ao contrário do que ocorre com elas, o governador tem todas despesas pagas pelo Tesouro Estadual, inclusive os gastos com saúde. Assim, embolsa o salário livre de despesas domésticas.


Colaboração PortalCT