Header Ads

NTAgora

Compartilhe:

VÍRUS DA DENGUE E OUTROS DISPARAM EM PALMAS E PREFEITA CONTINUA OMISSA SEM USAR FUMACÊ


O número de casos de dengue em Palmas aumentou 715% na duas primeiras semanas desse ano, isso sem contar com o ainda não identificados de Zica  e Chincungunia. Existem pessoas com dengue até em UTI em Palmas, em especial grávidas que são mais frágeis ante o vírus.


Os dados são da Secretaria Municipal da Saúde. Foram 742 notificações até dia 14 desse mês contra 91 no mesmo período do ano passado.
A doença, transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, trm consequências graves para a saúde. Em 2018, 58 pessoas tiveram dengue com sinal de alarme ou gravidade e uma pessoa morreu.
A gerente do Centro de Controle de Zoonozes (CCZ) Betânia Costa disse que os casos aumentaram a partir de novembro e estão espalhados por toda a cidade. "As doenças vetoriais são cíclicas e muitas vezes essa explosão é devido a própria doença, ao índice do vetor estar mais ou menos adaptado. Às vezes também a gente não se preocupa. O ano passado foram poucas notificações, o pessoal vai relaxando".
Na alameda 6 da quadra 712 Sul em Palmas tem pneus espalhados no canteiro central. A autônoma Suzi Cunha acha um desrespeito com os moradores. "Tem muitas crianças então tem que olhar e respeitar porque a doença é perigosa, causa morte. As pessoas têm que se conscientizar e limpar".
O material é do morador da regiãi João Vieira, que trabalha como torneiro de borracha. Ele garantiu que não tem agua acumulada lá porque ele corta a borracha ou faz furos. Ele também disse que está providenciando um lote adequado pra guardar os pneus. "Os agentes de saúde vêm aqui direto. Os pneus não têm água, são todos cortados".
Para intensificar as ações de combate ao mosquito, uma força-tarefa foi montada nesta semana em toda a capital. "Enquanto tiver índices altos, nós vamos permanecer realizando mutirões porque os mutirões mobilizam a comunidade, intensificam as ações nas quadras e é uma visibilidade para as pessoas entenderam mais sobre a doença e como prevenir", concluiu a gerente do CCZ.